Instalação Tapete Manifesto

A invisibilidade da violência contra as mulheres

O Brasil é o quinto país que mais mata mulheres no mundo. A cada 1,5 hora ocorre um feminicídio e 5 mulheres são estupradas por hora no Brasil. 472 mulheres assassinadas a cada mês. 140 mulheres estupradas por dia. Seguiremos nesta trágica invisibilidade? Manifesto é atitude... Atitude é afeto e não somente uma declaração de regras representante de pensamentos...

 

Um Tapete de Morte e Vida

 

A instalação é um manifesto poético, uma cartografia com calcinhas e esqueletos serigrafados para gritar a invisibilidade desta trágica realidade de tradição de violência contra as mulheres. Foi concebida para criar um espaço de reflexão sobre o tema da violência contra a mulher bem como de sua invisibilidade, um espaço para refletir um incômodo com as vulnerabilidades socioculturais que são suportadas por nós mulheres há séculos, bem como provocar reflexões e questionamentos sobre massificação e vulgarização da morte nos dias atuais. 

 

Uma tentativa de, a partir do espaço da instalação, transformar a violência em poesia. ...Olhar e desvelar a invisibilidade... Olhar e revelar nossa invisibilidade... 

 

Pode a poesia mudar esta trágica realidade? 

Manifesto é um modo de existir... Eu me apresento como me produzo... Criar a potência de existir... Criar a realidade... Criar a própria potência e crescer nela a potência de existir.

“O Tapete Manifesto foi construído carregando sementes de vida e de morte, inicialmente era um manifesto contra a violência, o machismo/patriarcalismo e a desigualdade. Carreguei esta pergunta durante todo o processo: Pode a poesia transformar esta trágica realidade? Nesta travessia tudo foi transformando-se e encontrei uma fé, uma força, a poesia e a ferocidade da vida em mim e em cada mulher que sofreu ou sofre de alguma forma de violência por ser mulher, por ocupar seu espaço, por existir... Hoje o Tapete Manifesto é construído com as sementes da resistência e tornou-se não apenas uma denúncia através do manifesto poético mas um espaço de se visibilizar/revelar a violência contra as mulheres com uma  clara proposta de empoderamento das mesmas.”

 

Thaís Medeiros 

Atriz, diretora, dramaturga, artista plástica, fundadora do Coletivo Galeria Gruta e produtora

Apoio Instituto Goethe

18 a 22 abril / PHATOS Theater, Munique – Alemanha

 

Residência artística de Thaís Medeiros no Magdalena Munchen 2018 na Villa Waldberta

 

FICHA TÉCNICA

 

Invisible Places – Women in the Arts

Curadoria - Kordula Lobeck de Fabris 

 

Instalação Tapete Manifesto - Criação e concepção – Thaís Medeiros

 

Fotos: Coletivo Galeria Gruta

 

Residência Artística Villa Waldberta

 

Apoio: Goethe-Institut São Paulo, Casa Castro Quadros e Molduras, Stampinny Estamparia e Comunicação Visual, financiamento coletivo CGG